Queda

Eu caí enquanto andava de bicicleta. Simples, curto, doloroso e direto. Um fato do qual as pessoas que me circundavam não se lembrariam dali a dez anos. Na verdade, as pessoas que me circundavam não se lembrariam que eu caí quando chegassem em casa. Esse pensamento me reconfortava.

Foi um acontecimento fútil na vida de todos, mas que mudou minha forma de pensar, e, por isso, merece ser narrado.

O vento me batia no rosto, meus músculos já cansados e minhas mãos já trêmulas. Era como se o ritmo das rodas fosse o ritmo da minha vida: não muito rápido, mas firme e com um embalo impulsionado pelo meu desejo. Uma metáfora perfeita.

Contudo, num momento único de caos, os eventos se alinharam culminando na minha queda. O ritmo da minha rotina fora quebrado. Senti dores, obviamente, nos pontos em que me feri: meus joelhos e mãos latejavam. Tentei me levantar, mas uma fisgada tomou conta do meu tornozelo e eu caí, novamente.

Outra metáfora perfeita.

Sentei-me e observei o que estava à minha volta. Ninguém prestou atenção. A vida fora da minha bolha de conforto continuava. Fitei o chão enquanto as gotas me escorriam rosto afora, e refleti. Não importa quantas vezes eu caia, ninguém estará lá para vaiar, nem aplaudir quando eu me levantar. A vida simplesmente segue.

Me levantei, subi na minha bicicleta.

E pedalei…

Anúncios

3 comentários sobre “Queda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s